O Santuário Xintoísta de Shimogamo

April 25, 2007

by Kozue Kaida

O seu nome verdadeiro é “O Santuário Xintoísta de Kamomioya”. Este santuário chama-se “Kamo-sha” por juntar com o Santuário Xintoísta de Kamigamo.
A história deste santuário é muito antiga, por isso, não se sabe ao certo quando foi construído. Desde o século V, a família Kamo aparecia como uma família poderosa e dominante. Este santuário deifica os espíritos ancestrais da família Kamo e celebra os deuses do xintoísmo.
Estes deuses são “Kamotaketsunumi-no-Mikoto” (o deus da paz mundial, dos cereais abundantes, do talismã, etc.) e “Tamayorihime-no-Mikoto” (a defensora feminina e a deusa de fertilidade, etc.).

<A Floresta de Tadasu>

Esta floresta, situada no interior do santuário, já aparece em obras clássicas da literatura japonesa “Genji-Monogatari” e “Makurano-Soshi”. De acordo com a lenda, Kamotaketsunumi-no-mikoto ouvia os pedidos de pessoas na floresta e julgava corretamente ou erradamente.

<Ro-mon e Mai-dono>


Passado o acesso ao santuário na Floresta de Tadasu, encontra-se um grande portal. Ao fundo, podemos apreciar “Ro-mon”, considerado uma importante herança cultural.
“Mai-dono”, o mais destacado dos palácios deste templo, é utilizado no Festival Aoi (Kamo-Sai)

<O Rio Mitarashi e a Ponte Sori>

No dia de canícula, realiza-se uma cerimônia em que as pessoas molham as suas pernas no rio e fazem preces para prevenir as pestes e as doenças. Ao lado desta ponte, existe uma famosa ameixeira chamada “Flor da Ameixeira de Korin”.

Perto do santuário, existe uma loja de doces, onde se pode comprar “Mitarashi-Dango”, um doce típico japonês, com a sua origem neste local. Este doce exprime as espumas das águas do fundo da lagoa. Esta loja chama-se “Kamo-Mitarashi Chaya”.

<O Festival Aoi>

Como uma festa representativa, todos os anos, em 15 de Maio, realiza o “Festival Aoi (Kamo-Sai)” com o Santuário Xintoísta de Kamigamo. Pensa-se que esta festa teve início no ano 545. No Período Heian, este festival já era famoso, mantendo-se ainda hoje como uma das celebrações mais conhecidas de todo o Japão.

<Acesso ao Santuário Xintoísta de Shimogamo>

Pegue o ônibus número 205 no terminal de ônibus da Estação JR de Quioto. Desça na parada “Shimogamo-jinja-mae”.

Santuário Fushimi Inari

by Tomoe Tsukada; Kanako Takahashi; Nami Yamada

1 O que é Nô?

Eu estou aprendendo o teatro nô no clube da universidade e gostaria de apresentar alguns lugares famosos de Quioto que têm relação com esse teatro. O que é o Nô?
É um musical tradicional do Japão. Tomou a forma presente entre os séculos XV e XVI. Até hoje, esta forma não mudou quase nada. A dança, a canção, as roupas, as máscaras são iguais às de 500 anos atrás.

2 O Nô e o santuário Fushimi inari

Existe uma peça de Nô que tem relação com o santuário xintoísta Fushimi Inari, um dos maiores e mais famosos de Quioto. O titulo da peça é Kokaji, a história de um ferreiro, fabricante de espada, chamado Munechika. Esse personagem existiu realmente no século Ⅹ.
Um dia, Munechika recebeu a visita de um enviado imperial com uma ordem do imperador para que fabricasse uma espada de alta qualidade e beleza. Mas para malhar o ferro, precisava de mais uma pessoa com experiencia igual à dele. No entanto, ele não tinha nenhum discípulo e, sem saber o que fazer, resolveu visitor o santuário Fushimi Inari para pedir aos deuses a sua ajuda.
No meio do caminho, ele encontrou um menino que, na verdade , era o deus Inari disfarçado. Este menino encorajou-o e prometeu–lhe ajuda. Ele disse: “Depois de voltar à sua casa, faça um estrado e me espere. Munechika voltou então para casa e fez o estrado para malhar o ferro. Assim que ele começou a rezar apareceu o deus Inari e malhou o ferro junto com Munechika. Por último, Munechika inscreveu seu nome na espada e , ao lado, o deus gravou a inscrição “Kogitsune”, que significa “raposa pequena”. Assim se fabricou a espada de alta qualidade. Depois de terminado o trabalho, o deus Inari montou em uma nuvem e desapareceu na montanha de Inari.

Os deuses de Inari em Nô

3 O santuário Fushimi inari

Este santuário presta culto ao deus do arroz, desde antigamente o alimento mais importante para os japoneses . Há uma lenda sobre nascimento deste santuário: Um dia um homen chamado Hatano Kimiirogo atirou uma flecha para um alvo feito de bolo de arroz, “mochi” . Este mochi , ao ser atingido pela flecha, transformou–se num pássaro branco e voou para longe. No lugar onde o passaro pousou, nasceu um pé de arroz. Aí, Hatano kimirogo construiu o santuário de Inari. Por isso,o nome da santuário, Inari significa “ nasce um pé de arroz”.  Não se sabe ao certo, mas estima–se que tenha sido construído por volta do ano no 711. O que chama a atenção quando entramos é a quantidade de estátuas de raposas. A raposa é considerada um mensageiro do deus do arroz porque este animal caça os ratos que comem os grãos de arroz.




Uma outra peculiaridade do santuário que encanta os turistas é a fileira de portais (torii) pintados de vermelho ao longo das escadarias. Existem cerca de 10000 torii. Isto também tem uma razão: o deus do arroz, Inari, era originalmente reverado pelos agricultores. No entanto, com o passar do tempo, esse deus se multiplicou passando a ser reverado também por comerciantes e pessoas de outras ocupações. Os portais dos santuário foram oferecidos por pessoas que tiveram seu pedidos realizados pelo deus Inari.

☆Acesso ao santuário Fushimi Inari
Pegue o trem de linha de Nara na Estação de Kyoto e desça na estação de Inari.

Santuário Xintoísta Yasaka

by Chihiro Udono; Akiko Gomi

Na zona leste de Kyoto, podemos encontrar o santuário xintoísta Yasaka. É conhecido pelo apelido de “Gion-san”, pois fica em Gion, bairro das gueixas. Ao visitar Kyoto, não podemos deixar de visitar Yasaka porque nos arredores deste santuário, há muitos lugares onde sentimos a atmosfera de Kyoto.

Neste santuário, deuses do xintoísmo são celebrados. Dizem que o deus principal daqui, “Susanô no mikoto”, é o protetor da agricultura e da saúde. Além disso, ele traz a paz ao país, sucesso nos estudos, laços de amor e prosperidade no comércio.

A religião xintoísta está bem arraigada entre os japoneses. Vou apresentar alguns costumes xintoísmos que encontramos neste santuário.

Esta família veio para o“miyamairi”,
um costume japonês de visita o santuário da sua terra natal. Quando chega o 31º dia do nascimento do filho e 33ºdia do nascimento da filha, visita-se o santuário para mostrar o bebê ao deus da sua terra natal. Quase todos os japoneses fazem esta visita. Bem parecido com o batizado, mas a diferença é que o “miyamairi”não pressupõe que a criança seja fiel à religião durante a sua vida.
E este é o casamento à moda xintoísta. Às vezes podemos ver o casamento celebrado desta maneira. Aqui no Yasaka, a mulher do deus Susanô também é celebrada. Portanto, muitos casais se casam aqui.

Como o“Susanô” é o deus da saúde, originalmente, este santuário foi construído para exterminar a epidemia da peste. A sua festa é muito famosa no Japão. Chama-se“Gion matsuri”( Festival de Guion). Começa em 1 de julho e acaba no dia 31. Esta festa é para tranquilizar os espíritos das trevas. Outro festival é o “Okera Matsuri”no fim e no começo do ano também para desejar boa saúde.

Essas festas existem há mais de 1100 anos. Os deuses de Yasaka tem protegido a nossa saúde por muito tempo.
Se for ao santuário Yasaka, poderá aproveitar para esticar o passeio. A leste, encontrará o Parque de Maruyama, famoso na primavera pela bela e imponente cerejeira. Ao sul, há o templo de Kiyomizu, também recomendado para visita.

Acesso para YASAKA: descer na“Estação de Hankyu Kawaramachi”e andar cerca de 10 minutos na direção leste.
*Se for da Estção JR Kyoto, pegar o ônibus número 206. Descer no ponto de “Gion”. Leva mais ou menos 20 minutos.